OCCA PRESENTATION maio3.jpg

Filipe Calegario

Occa Membership

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Tumblr Social Icon
  • Instagram

"... tenho interesse por rizomas, emergência e explosão de barreiras..."

Filipe Calegario é recifense, professor, pesquisador, inventor, criador, fazedor e acredita que só tem graça trabalhar na interseção de áreas. Entrou na graduação do Centro de Informática da UFPE (CIn) em 2005, fez mestrado, doutorado e, desde 2019, é professor adjunto. Pesquisa, concebe e desenvolve métodos, ferramentas e interfaces para expressão criativa. Tem experiência em fabricação digital e prototipação eletrônica para interfaces tangíveis. Se interessa por técnicas criativas, design de interação, dispositivos conectados e computação física. 

 

É um dos coordenadores do Mustic, grupo de pesquisa e inovação em arte, tecnologia e criatividade do CIn. É um dos fundadores do Batebit Artesania Digital, grupo de experimentação de novas interfaces musicais. Em 2018, a convite do Quinteto Violado e em parceria com o Pachka Duo, participou da abertura do Carnaval do Recife, “Frevo para o Mundo” com novas interações entre gesto, imagem e som, dança e música, palco e plateia. 

 

Em 2015, foi pesquisador visitante da McGill University, Canadá, no Laboratório de Dispositivos de Entrada e Interação Musical. Foi pesquisador industrial no Instituto SENAI de Inovação para TICs, gerenciando projetos de inovação para indústria e coordenando o CIIMUS, núcleo de Criatividade e Inovação para Indústria da Música.

 

Foi, por duas vezes, contemplado com projetos no Rumos Itaú Cultural: uma para o desenvolvimento do aplicativo musical Tocada e outra para o melhoramento do Probatio, toolkit de experimentação de instrumento musicais digitais. Em 2019, publicou o livro “Designing Digital Musical Instruments Using Probatio: A Physical Prototyping Toolkit” pela editora Springer que discute a aceleração de ciclos de experimentação para atingir mais resultados criativos e expressivos. Já participou e apresentou trabalhos em festivais e eventos na interseção entre arte e tecnologia, como Recife: The Playable City, FILE, FAD, Continuum, Interactivos, Campus Party.

>

>